quinta-feira, julho 10, 2014

Ah, Valentes!



O desprezo (que nem sequer disfarçam) que certos estrangeiros demonstram pelos portugueses é confrangedor. Lembram-se quando o José Mourinho foi a primeira vez para o Chelsea e teve que pôr em sentido os jornalistas ingleses que o massacravam, pondo em dúvida a sua competência? Logo ele que tinha ganho em Portugal tudo o que havia para ganhar mais uma Taça UEFA e uma Taça dos Campeões Europeus. Claro que Mourinho falou alto e grosso e fez frente a quem o desafiava. Foi remédio santo.

Há dias foi a vez do eurodeputado comunista João Ferreira dar uma lição de boa educação ao candidato designado para presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. Depois de criticar o papel desempenhado em Portugal pela troika - que o senhor Juncker apoiou - e chamar-lhe a atenção para a realidade do país, referindo-se ao estado da economia e à escalada da dívida, João Ferreira fez uma pausa entre as duas questões que estava a colocar ao político luxemburguês, ao ver que este estava sem os auscultadores e manuseava o telemóvel.

“Vou fazer uma pausa para que possa desligar o telemóvel”, disse, firme, o deputado português, ao que Juncker gaguejou que estava a responder a uma mensagem da sua mulher. Uma resposta abstrusa, pífia e completamente inaceitável. E mesmo que conhecesse muito bem a realidade portuguesa, como afirmou, isso não o dispensava de estar atento à interpelação do eurodeputado português.

Irrita-me que tenhamos que nos pôr em bicos de pés para que essa gentinha sinta que temos todo o direito a sermos respeitados. Não fazem ideia como a sobranceria de certas figuras me tiram do sério.