segunda-feira, janeiro 04, 2010

Esperança para 2010


Ora bem, aqui estamos de novo, no início de mais um ano que, temos esperança, nos vai trazer tudo aquilo que mais ansiamos.


E bem necessitamos que nos aconteçam coisas boas. Não basta ouvir o Primeiro-Ministro dizer insistentemente que tem esperança em nós – nos portugueses e no país – que confia nas nossas capacidades e na vontade que nos assiste para vencer os desafios, é preciso algo mais. É urgente que descubramos petróleo algures no país e é imperioso que as políticas consigam vencer a aparente (?) letargia em que nos encontramos e que parece estar a atirar-nos para o abismo.


Enquanto isso não acontece, resta-nos a esperança, a tal que é a última a morrer, que a crise vá ser definitivamente afastada e que a economia comece a crescer a sério. Há já pessoas que acreditam nisso. Um bom exemplo desses crentes é o do Presidente da Câmara de Paredes que se prepara para comemorar condignamente o primeiro centenário da implantação da República e, para isso, vai erigir um mastro gigantesco onde ondulará uma enorme bandeira nacional que seja visível a 30 quilómetros de distância.


O porém, é que essa bandeirinha (que é bastante grande) vai custar aos munícipes qualquer coisa como um milhão de euros.


Dir-se-á que atendendo à data que se pretende comemorar e da visibilidade que dará ao concelho, o investimento até é justificável. Não sei. Apesar de só se ir gastar um reles milhão de euros a dúvida que baila na cabeça de muita gente é a de saber para que é serve realmente uma obra de pura fachada.


A ser verdade que as autarquias se debatem com imensa falta de recursos e a ir por diante o projecto de senhor Presidente, não nos admira mesmo nada que muito em breve o mesmo autarca venha a solicitar a possibilidade de se endividar junto da Banca para fazer face a umas outras despesas com obras de saneamento ou arruamentos.


Enfim, o dinheiro não é tudo e a comemoração de um novo centenário só se realiza daqui a muito tempo.