terça-feira, janeiro 17, 2012

Os Pastéis (de Belém) do Álvaro



A ideia do Ministro da Economia foi brilhante. Finalmente apareceu alguém que pensou “mas que raio de coisa é que nós podemos fazer para vender lá fora e que toda a rapaziada goste?” E a resposta foi: “Pastéis de Belém”.
E vai daí, como bom exemplo da internacionalização da economia nacional, Álvaro Santos Pereira logo afirmou que o Pastel de Belém poderia ser a salvação do país. Só não referiu, mas o “Por Linhas Tortas” sabe, que para eliminar o défice externo, a fábrica de Belém teria que exportar só este ano 2,6 mil milhões de pastéis.

Bem, a ideia foi lançada (o que já é um começo) mas conhece-se já a reacção da Fábrica dos Pastéis de Belém à ideia do Ministro. Não, por ora não está para aí virada. Pensa em expandir-se mas lá mais para a frente. Portanto, e para já, o país não vai ser salvo por esta via.

Quem adorou esta decisão foi a minha sogra. É que com tanta produção que teria que levar a cabo para enviar os pastéis para o estrangeiro, ela receou que a Fábrica não conseguisse assegurar a venda por cá e eles começassem a faltar. Não sei se lhes disse, a minha sogra gosta tanto de pastéis de Belém que até os seus olhos sorriem quando se fala neles.



2 Comments:

At terça-feira, janeiro 17, 2012 11:47:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Ó Mário, bem vistas as coisas essa não é mesmo a solução... há quantos anos tem este país um pastel em Belém?

:)

beijinhos para toda a família, incluída a tua sogra e o seu sorriso...

Graça

 
At terça-feira, janeiro 17, 2012 6:35:00 da tarde, Anonymous demascarenhas said...

Graça
Tens razão. O défice bem poderia esperar sentado se tivéssemos à espera de resultados com a exportação desse pastel a que te referes.
Beijinhos

 

Enviar um comentário

<< Home