segunda-feira, janeiro 30, 2012

A questão que mais nos preocupa neste momento: O que faz feliz uma galinha?



Antes que comecem a fazer juízos de valor, devo esclarecer que tenho o maior respeito pelos animais e penso – sinceramente – que os ditos têm todo o direito a terem as melhores condições de vida. Acho mesmo que devemos pugnar pelo bem-estar de todos os animais, mesmo por aqueles que servem apenas para serem abatidos para a alimentação humana.

Mas, às vezes, parece-me que se exagera um bocado. Não sei se sabiam mas desde o início do ano entrou em vigor uma directiva europeia que estabelece que cada galinha tem que ter, só para seu uso, um espaço mínimo de 750 cm² de superfície da gaiola, além de um ninho, uma cama, poleiros e dispositivos adequados para desgastar as garras, que lhes permitam satisfazer as suas necessidades biológicas e comportamentais. Sem qualquer cinismo, digo que me parece bem tanta preocupação com o seu bem-estar. As galinhas precisam de espaço e de tranquilidade para pôr ovos.

Porém, e desculpem lá o meu desabafo, parece que não existem outras preocupações, se calhar bem mais graves, que afectam os cidadãos. Sei lá, estou a pensar, por exemplo, na forma como resolver o desemprego crescente, na fome que grassa por aí ou na degradação da vida das pessoas por essa Europa fora. E para o combate a estes flagelos não vejo que a Comissão Europeia tenha tantas preocupações como aconteceu agora em relação a estes desvalidos 47 milhões de galinhas europeias.

Como costumo dizer, uma coisa é uma coisa e uma outra coisa é uma outra coisa. O pior é que, a acrescer aos milhões de problemas que já tínhamos, com esta questão das galinhas-VIP, ficámos “debaixo de olho” da Comissão Europeia porque os galinheiros portugueses não oferecem as condições desejadas e estamos em risco de sofrer uma pesada multa.

Já sabíamos que os cidadãos nacionais andam aflitíssimos para se conseguirem aguentar, mas isso é um problema nosso. Agora, as galinhas portuguesas não andarem a ser bem tratadas, alto lá e pára o baile, Bruxelas apressou-se a manifestar a sua preocupação.

O que faz feliz uma galinha? Esta é a grande questão do momento.


2 Comments:

At segunda-feira, janeiro 30, 2012 4:31:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Não sei como se pode preocupar com o aumento do desemprego ou dos impostos, quando no mundo há milhões de pessoas a morrer à fome.

Já sabíamos que em muitos países há pessoas que morrem de fome ou torturadas, mas isso é um problema deles. Agora, pagarmos mais um porcento de IVA, alto lá e pára o baile, nós apressamos-nos a manifestar a sua preocupação.


Espero que compreenda a analogia. A abordagem: não nos devemos preocupar com isto porque há um problema maior, é sempre uma boa desculpa para não fazer nada.

 
At segunda-feira, janeiro 30, 2012 6:22:00 da tarde, Anonymous demascarenhas said...

Caro Anónimo, provavelmente expressei-me mal. Se calhar, a exemplo do que aconteceu com o Senhor Presidente da República, terei escrito (na sua leitura pelo menos) algo que eu não queria dizer de todo. Porém, concordo consigo em que a lógica de “não nos devermos preocupar com um determinado problema porque há um problema maior e isso constituir uma boa desculpa para nada se fazer” é absolutamente inadequada. O que se deve, isso sim, é trabalhar mais e melhor de modo a serem superados todos os problemas que afectam as sociedades. E se não for possível ao mesmo tempo (talvez fosse exigir demais) pelo menos ter a capacidade para escolher as prioridades certas. E, neste caso, Caro Anónimo, se eu fosse poder, decidir entre resolver os problemas das pessoas e os das galinhas, sem dúvida alguma que escolheria as pessoas. Sem prejuízo dos direitos dos animais (que defendo), admito que sou muito mais sensível aos direitos dos humanos.
Um Abraço

 

Enviar um comentário

<< Home