sexta-feira, março 21, 2014

As pequenas alegrias ...



Têm tentado tudo para nos fazer acreditar que o país está melhor. Porém, o que sentimos é que estamos a viver pior, com menos vencimentos e pensões e com enormes dificuldades em gerir os parcos orçamentos familiares.


Apesar de todas as medidas de austeridade que foram exigidas pela troika (e mais as outras que foram acrescentadas pelo Governo) que têm sido altamente penalizadoras para a generalidade da população - recordemos que 660 mil famílias deixaram de pagar os seus créditos à banca, há mais de 2,5 milhões de concidadãos que vivem no limiar da pobreza e mais de 700 mil pessoas não têm trabalho - ainda assim, para alguns, a crise foi-lhes favorável e conseguiram que a sua riqueza aumentasse.


De outra forma não se entenderia como é que a venda de automóveis de luxo em Portugal tem crescido significativamente. Com efeito, no ano passado houve 300 cidadãos que compraram carros de topo de gama (só para terem uma ideia, um conjunto de pneus novos para esses popós custa mais que o salário mínimo acumulado num ano): três Bentley, um Lamborghini, nove Ferraris, 14 Aston Martin e 273 Porsches. E, só nos dois primeiros meses do ano, a Porsche já vendeu 43 carros, mais 53,6% que no mesmo período do ano anterior.


Enfim, num país de gente triste, desiludida e preocupada com o futuro que se prevê incerto, alguns afortunados ainda vão podendo comprar as tais "bombas". Uma elite a quem, provavelmente, os sacrifícios não estão a ser totalmente exigidos.


E porque a maioria dos cidadãos vai tentando (lutando para) sobreviver e as políticas nacionais e europeias não auguram nada de bom, a nossa pequena alegria - leia-se esperança - acaba por se fixar no facto da Assembleia-Geral das Nações Unidas ter aprovado que o dia 20 de Março passa a ser o "Dia Internacional da Felicidade". Resolução que a ONU sublinhou como "a procura da felicidade é um dos objectivos fundamentais do ser humano".


Subscrevo o sublinhado mas, só isso (haver um dia da felicidade), é capaz de não chegar para dar a volta à situação. Precisamos mais.