terça-feira, maio 20, 2014

17 de Maio - um novo feriado nacional?



Este 17 de Maio, o dia em que voltámos a ser senhores do nosso destino (?) por nos termos livrados da troika deu-nos uma certeza e, também, uma esperança. A certeza de que o tal relógio digital do Largo do Caldas estava certo quanto à data e hora da saída da troika de Portugal e a esperança que a data seja reconhecida como feriado nacional. Afinal, Paulo Portas fartou-se de dizer que o fim do programa de ajustamento seria como um novo 1º. de Dezembro, igual ao que em 1640 libertou os portugueses do jugo dos castelhanos.

Mas não nos iludamos e sejamos prudentes com o foguetório. A troika saiu mas pouco ou nada vai mudar na vida dos portugueses porque a política de austeridade e empobrecimento vai-se manter. Com este Governo e certamente com o próximo, mesmo que as cores governamentais se alterem. Por muitos e bons anos, pelo menos até que o bom-senso dos políticos e das políticas europeias e nacionais assente arraiais.

E digo que a nossa vida se irá manter porque quero ser optimista. Para além de todos os problemas da Europa e dos nossos próprios problemas estruturais que já vêm de longe (e parece que não há reforma de Estado que lhes ponha cobro), temo que a irracionalidade dos mercados, a eventual queda dos juros dos empréstimos e a descida das exportações não tornem, uma vez mais, o país ainda mais insustentável. E aí, tudo poderá recomeçar com um novo resgate. E aí, é melhor esquecer o eventual e desejado feriado do 17 de Maio, da mesma forma que já esquecemos o do 1º. de Dezembro.