segunda-feira, junho 29, 2009

“Privilégios”


Uma das notícias que neste fim-de-semana mais me chamou a atenção foi a que revelava que o fundador e Ex-Presidente do Banco Comercial Português, Jardim Gonçalves, continua a utilizar um avião privado pago pelo Banco e, espanto maior, conta com uma segurança própria de 40 pessoas que é paga igualmente pelo BCP.



Claro que todos os privilégios que usufrui (estes e outros) foram assegurados no tempo em que Jardim Gonçalves era, ainda, o Presidente. Portanto, e aparentemente, não há razões para se suspeitar de qualquer ilegalidade. Mas, convenhamos, tantas regalias de luxo parecem não ter razão de ser.



E o que é que os accionistas do BCP acharão de tudo isto? Provavelmente que a situação é, no mínimo, descabida.



Como o dinheiro não é meu, até percebo que neste ano e meio em que o senhor está reformado, tenha feito várias viagens particulares no Falcon que tem à sua disposição. Tanto mais que essas viagens foram efectuadas no âmbito de uma cláusula aprovada anteriormente - "segurança e protecção na saúde" (????).



Agora o que me faz mais confusão é a desproporcionada segurança que é concedida ao ex-presidente e, agora, arguido do “Caso BCP”. Quarenta seguranças? Justificar-se-á tanta gente para o proteger? Afinal, o que é que Jardim Gonçalves tanto receia?