sexta-feira, maio 15, 2015

Uma certa forma de discriminação ...

                                                                  


Tudo o que tenha a ver com tratamentos desiguais ou injustos, com base em preconceitos de alguma ordem, arrepia-me. Ainda mais, em liberdade, "fazer distinções" pode ser muito perigoso.

Vem isto a propósito do anúncio de que os trabalhadores do fisco iriam receber um prémio por terem conseguido ultrapassar os objectivos de cobrança definidos, prática que, aliás, já vem de longe. E se, em princípio, concordo com a atribuição de prémios de produtividade - quem mais faz e com melhor qualidade deve ser recompensado (é justo atribuir-se um prémio ao empenho e à competência) - o que me causa mais dúvidas é saber porque carga de água só aos trabalhadores da máquina fiscal têm este tipo de benefício e são esquecidos os outros funcionários do Estado como sejam os da Segurança Social (onde também há cobrança coerciva de dívidas) ou aos enfermeiros dos hospitais públicos ou aos cantoneiros a trabalhar nas autarquias, por exemplo.

Será justo premiar-se a competência e a dedicação dos trabalhadores do fisco e ignorar-se todos os outros competentes e dedicados funcionários públicos? Não haverá aqui uma certa forma de discriminação?