sexta-feira, outubro 07, 2011

Novo imposto?



Se calhar sou eu que tenho razões para desconfiar que algumas iniciativas governamentais são apresentadas sob a capa de uma boa causa e, ao fim e ao cabo, nem são assim tanto. O povo diz que “gato escaldado de água fria tem medo” e a verdade é que, muitas dessas boas intenções a favor de causas nobres, encobrem o verdadeiro propósito: arrecadar mais umas receitas para os cofres do Estado. E isso acontece em Portugal como na maioria dos outros países.


Não acredito, porém, que isso se verifique num país civilizado como a Dinamarca que acabou de se tornar o segundo país do mundo (a Hungria foi o primeiro) a introduzir uma taxa especial sobre a gordura. Ou seja, todos os alimentos que tenham mais de 2,3% de gordura saturada por quilo terão, a partir de Outubro, de pagar uma taxa adicional de 16 coroas (2,15 euros). Para dar um exemplo, um pacote de 250 gramas de manteiga passa a custar mais 25 cêntimos. Num país que tem menos de 10% de obesos clínicos, portanto abaixo da média europeia, esta pode ser apenas mais uma taxa. Só que os cidadãos dinamarqueses confiam que este dinheiro vai ser bem gerido.


A questão é que o aumento da carga fiscal sobre os alimentos menos saudáveis está a ganhar força por toda a Europa e não tarda que por cá o exemplo venha a ser seguido. E, perguntar-se-á, “isso é para defender a saúde pública?” Sim, também, mas, de imediato será, sobretudo, para obter mais receitas de que o Estado tanto necessita.


E a criatividade pode nunca mais parar, tudo em nome de razões perfeitamente entendíveis. Como por exemplo inventarem um imposto para quem tenha menos de dois filhos, ou um imposto para quem deixe as luzes acesas depois das duas da manhã ou, ainda, um imposto a aplicar a quem tenha mais de 60 anos.


Como também diz o povo, “No comer e no coçar o mal está em começar” …