quarta-feira, dezembro 17, 2014

Sabem o que é o "Índice de Percepção de Corrupção"?



Numa altura em que ainda se fala mais em corrupção (o que não faltam são casos mediáticos, alvo de todas as notícias), muitos questionam o que é o denominado "Índice de Percepção de Corrupção", afinal o que é que a expressão realmente significa. Para explicar, ainda que de uma forma simples, talvez seja melhor recorrer à Wikipédia que, sobre o assunto, diz o seguinte:


"O IPC - Índice de Percepção de Corrupção ordena os países do mundo de acordo com "o grau em que a corrupção é percebida existir entre os funcionários públicos e políticos" ... Os resultados mostram que sete em cada dez países (e nove em cada dez países em desenvolvimento) possuem um índice de menos de 5 pontos num total de 10, sendo que a maior pontuação significa menor (percepção de) corrupção".


E Portugal, como é que está neste índice? Digamos que sem contar com os casos recentes como os vistos gold, Duarte Lima, Sócrates ou Espírito Santo estamos em 31.º lugar. E isso é bom ou é mau? É MAU, claro está, porque a desconfiança (justificada, creio eu) na classe política, nos empresários (grandes e pequenos, dos banqueiros aos construtores civis) e nos gestores autárquicos deixa-nos em estado de sítio.

Só para terem uma ideia do que se passa relativamente aos 175 países do mundo considerados em 2014 nesta análise, Portugal, o Chipre e Porto Rico ocupam a 31ª posição. Depois de nós classificam-se países como a Espanha (37ª), a Hungria (47ª), a República Checa (53ª) e a Itália (69ª), ficando nos últimos lugares a Coreia do Norte e a Somália. A liderar a tabela estão, sem qualquer espanto, a Dinamarca, a Nova Zelândia, a Finlândia, a Suécia, a Noruega e a Suiça.

Resta-nos a (fraca) consolação de Portugal ter subido duas posições neste Índice de Percepção de Corrupção. Convenhamos, pois, que ainda há muito por fazer ...