segunda-feira, junho 20, 2011

Será que os Deuses estão loucos?

A Academia Brasileira de Letras é uma instituição que remonta ao final do século dezanove e é composta, desde sempre, por escritores e intelectuais brasileiros e por sócios estrangeiros com nomes sonantes como é o caso do moçambicano Mia Couto ou da nossa Agustina Bessa-Luís. Como se percebe, é uma instituição muito respeitável apesar de – e no melhor pano cai a nódoa – nunca lá terem sido acolhidos personalidades tão distintas como Carlos Drumond de Andrade, Vinícius de Moraes ou Eríco Veríssimo.

Olhando, portanto, a sua História, a natureza das suas actividades e o alto gabarito dos elementos que a integram, todos ficámos estupefactos com a atribuição da sua mais alta distinção ao futebolista Ronaldinho Gaúcho, perdão ao Doutor Ronaldinho. Um jogador de futebol que é, sem dúvida, um excelente executante do seu mister mas que, quanto a letras, basta dizer que ele próprio admitiu que não gosta lá muito de ler.

Podiam tê-lo condecorado por ser o melhor jogador de futebol do Brasil, por ser um exemplo para a juventude, por ser o tipo mais simpático e com o sorriso mais cativante do Universo. Mas não, deram-lhe a medalha Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras, a mais alta distinção da “inteligência brasileira”.

O prémio oferecido ao craque não faz qualquer sentido e constitui até um desencorajamento para escritores, pensadores e para quem gosta da língua portuguesa. Ocorre-me perguntar “ Será que os Deuses estão loucos?”.