quarta-feira, julho 04, 2012

Cortar, cortar, cortar …


A ser verdade – a imprensa diz que sim e a Administração do Hospital diz que não - os doentes diabéticos internados no Hospital Central de Tondela - Viseu, ficam 12 horas sem comer, desde que lhes foi cortado o suplemento alimentar nocturno composto de leite e as bolachas de água e sal, dado por volta das 23 horas. E, ao que parece, a água engarrafada também deixou de ser distribuída.

A ser assim, e as reticências continuam porque é demasiado estranho que isso esteja a acontecer, os doentes diabéticos INTERNADOS – repito, doentes diabéticos INTERNADOS - deixam de contar com o alimento que serviria para estabilizar os níveis de glicemia. O que é grave porque os diabéticos não podem estar tantas horas sem comer.

Li que a situação já acontece desde Maio último. Esperemos que os cortes impostos pelas Finanças Públicas degradadas não sejam os causadores dos cortes dos tais suplementos, situação que pode originar doentes com níveis descompensados ou até, quem sabe, algumas mortes.

É que ao estado a que chegámos, já ninguém se admira que, para poupar no leite e nas bolachas, o Estado possa pôr vidas em risco.

E isto acontece em Tondela que pertence ao Distrito de Viseu. Viseu que, curiosamente, foi considerada pelos portugueses, num estudo recente da DECO, a melhor cidade para se viver no país, onde a SAÚDE, a educação, a mobilidade e o meio ambiente proporcionam plena harmonia.

Há aqui qualquer coisa que não encaixa, não acham?