terça-feira, julho 17, 2012

Temos que fazer mais … sim, mas como?

Na semana passada 41 deputados do Grupo Parlamentar da União Social Cristã (CSU) no Parlamento Federal Alemão (Bundestag), entre os quais um Vice-Presidente do Bundestag, três Ministros Federais e dois Secretários de Estado, estiveram em Portugal numa visita de trabalho.

Foram recebidos pelo Presidente da República e, em nome da representação alemã, uma das deputadas elogiou o nosso desempenho perante as dificuldades mas disse que governantes e povo têm que fazer mais.

Concordo quanto aos governantes. Mas em relação aos cidadãos que mais podem fazer, quantos sacrifícios ainda esperam de nós?

É que só por desconhecimento da nossa realidade (ou por má-fé) se pode exigir ainda mais de um povo, que está a ser tão castigado por más opções políticas, cujas práticas, muitas delas, foram impostas por outros, incluindo pelos alemães.

Saberão os deputados que nos visitaram que centenas de milhares de portugueses ganham menos de 400 euros por mês? Que 2 em cada 3 portugueses ganham menos de 900 euros? Um quinto de um suíço ou de um alemão médio. Certamente não farão ideia. Até porque o comportamento do nosso povo tem sido pacífico (se calhar até demais) e não mostramos o desespero e a revolta que observamos em imagens que nos chegam da Grécia, da Espanha e de outros lados. Mas o desespero e a angústia por sentirmos que todo este sacrifício poderá ser em vão existem de facto. Ah, se existem!

Então, temos que fazer mais. Ainda mais?