terça-feira, novembro 12, 2013

Um erro caricato




Já se sabe que os erros acontecem. "Só não acontecem a quem não trabalha", como dantes se dizia para justificar quem errava. Mas, convenhamos, há erros e erros. E, sobretudo, há erros que, com os meios informáticos disponíveis, não são de todo aceitáveis.

Como aquele em que um homem foi notificado pelo Instituto da Segurança Social para devolver 41,10 euros devido a acertos de contas. Um homem que tinha uma "gravidez de risco", segundo rezava a carta da Segurança Social. Um caso que não podia ser mais caricato.

O homem, como é óbvio, nunca esteve grávido. Não podia (claro está), tal como não podia ter acontecido que a aplicação da Segurança Social admitisse que uma pessoa do sexo masculino pudesse estar grávida. Um erro de programação perfeitamente evitável.

O Sr. Albino Ribeiro, o pacato cidadão que se viu envolvido nesta embrulhada, embora tendo a certeza de que nunca estivera grávido, decidiu pagar imediatamente a importância reclamada e ficou à espera que a situação fosse esclarecida. E foi, o ISS assumiu o lapso, os ânimos ficaram apaziguados e o Sr. Ribeiro só não conseguiu ser ressarcido dos euros pagos porque, afinal, as contas por acertar diziam respeito a um subsídio de refeição pago indevidamente.

O assunto está resolvido e as desculpas foram apresentadas. Resta saber se a aplicação em causa foi alterada de imediato.