segunda-feira, janeiro 13, 2014

Prontos a "bater as botas"?

                                                             



19 de Dezembro de 2013. O dia em que foi anunciado o chumbo do Tribunal Constitucional à proposta do Governo sobre a Convergência das Pensões. Uma decisão, recorde-se, que foi tomada por unanimidade pelos juízes e uma derrota em toda a linha para o Governo que mais uma vez quis desafiar a Constituição ...

Pouco depois, na SIC Notícias, José Gomes Ferreira, António José Teixeira e Tiago Duarte comentavam o assunto abordando as diversas perspectivas: económica, política e constitucional. Todos eles admitiam que este era mais um chumbo a juntar a uma já longa lista e, mais uma vez, resultante de uma grande incompetência legislativa e/ou de uma matriz ideológica que não concede desvios.

Às tantas, Tiago Duarte, constitucionalista, dizia que o Tribunal tinha levado em consideração que as pessoas que iam ser afectadas pelos cortes propostos (os pensionistas e reformados da Caixa Geral de Aposentações) "eram pessoas frágeis, em fim de vida". Juro que me apeteceu bater-lhe. Verdade ... Só porque são pensionistas e reformados, só porque são mais velhos estão, como dizer, prontos a "bater as botas"? É assim que são vistas as pessoas que já não estão no mercado de trabalho mas que ajudaram, cada um à sua maneira, a construir e a desenvolver as empresas e o país?

Achei um tremendo mau gosto. Tiago, cuidado, já não estás muito longe de lá chegar. É que o tempo passa muito rapidamente.