quarta-feira, outubro 13, 2010

A geração dos “nem-nem”


As várias manifestações de estudantes que tenho visto desfilar pela Baixa nas últimas semanas, com jovens divertidos e compenetrados na realização das suas praxes, deram-me, ao contrário do que seria de esperar, uma sensação de desconforto. Ao olhar para eles não pude deixar de pensar que muitos dos seus sonhos que agora começam a despontar com a entrada para a Universidade poderão vir a constituir verdadeiros pesadelos. Desconforto por eles, pelas dificuldades que a maior parte vai enfrentar nas suas vidas mas também por reconhecer que sucessivas gerações, a minha incluída, não foram capazes de preparar melhores caminhos para o futuro.

É certo que a crise por que passamos veio piorar significativamente a incerteza dos jovens. Com a falta e a precariedade do emprego não é de estranhar que possam vir a estar desmoralizados mas, principalmente, desesperados.

As condições que lhes foram proporcionadas deram-lhes um nível de formação que lhes permitia acalentar um futuro promissor. Estão (em princípio) mais preparados mas, em contrapartida, mais vulneráveis e perdidos. Os empregos escasseiam e uma boa parte dos jovens, para se conseguirem manter, trabalham em actividades para as quais não estudaram e onde ganham miseravelmente. Por isso não existem projectos de vida em que sintam especialmente interessados ou entusiasmados. Mas quando alguns pretendem abrir um negócio, uma empresa que os faça sair do marasmo dominante para dar um rumo à vida, para criar riqueza para si e para o país, aí, surgem todo o tipo de entraves, de burocracias e de desinformação que os faz pensar duas vezes e os convida a desistir.

Esta é a geração dos “nem-nem”. Nem trabalho nem perspectivas. Uma geração que, desorientada e entristecida, já percebeu que a qualidade de vida que a espera será irremediavelmente inferior à que tiveram os seus pais.


1 Comments:

At quarta-feira, outubro 13, 2010 9:27:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Perfeitamente de acordo com tudo aqui referido. Experiência idêntica tive há alguns anos atrás aquando da bênção das fitas. Na altura senti uma dualidade de sentimentos, um grande sentimento de alegria e de satisfação, por ver uma luz ao fundo do túnel, afinal foram cinco anos que passei a trabalhar de dia e a estudar à noite. Por outro lado, e talvez por ter sido sempre um trabalhador estudante (ainda hoje o sou), e como tal, ter uma visão diferente da realidade, por momentos olhei à minha volta e senti uma enorme sensação de tristeza. Ao olhar para toda aquela multidão de jovens, trajados a rigor e com um sorriso marcado no rosto, alimentando esperanças de um início de vida cheio de oportunidades de realização e concretização de sonhos, pensei para comigo “Coitados, tantos anos investidos num projecto de vida, e quando ingressarem e se ingressarem no mercado de trabalho, vão ter um dos maiores desgostos das suas vidas. Todos os sonhos, planos, projectos que traçaram ao longo da sua vida académica se encontram a desmoronar, tal como uma castelo de areia…Sobre esta temática escreveu o José Machado Pais (cientista social e professor universitário português. É licenciado em economia e doutorado em sociologia pelo Instituto Universitário de Lisboa, onde lecciona desde 1978) o livro “Ganchos, tachos e biscates, onde no seu estudo refere que as dificuldades de emprego e as necessidades de sobrevivência explicam que os jovens procurem “desenrascar-se” ou “fazer pela vida”, recorrendo a “expedientes”, aproveitando trabalhos precários, arranjando dinheiro nos limites do legal e do ilegal, do legítimo e do ilegítimo, do formal e do informal, através dos chamados ganchos, tachos e biscates.
Ass. Fernando Gomes

 

Enviar um comentário

<< Home