sexta-feira, novembro 18, 2011

De novo em causa o tormentoso problema da água que se bebe no Parlamento



Em 19 de Janeiro deste ano escrevi aqui que havia a possibilidade dos nossos Deputados virem a beber água da torneira em vez da água engarrafada que lhes era servida no Parlamento. Dava-vos, então, conta que o argumento mais forte para terem chumbado essa proposta foi a pequena dimensão da poupança, que se cifraria, em 2011, nuns reles 7 500 euros.


Pois bem, passados estes meses, o assunto voltou à baila e a Comissão Parlamentar do Ambiente, Ordenamento do Território e Poder Local chumbou agora a proposta do PS para que a água consumida na Assembleia da República fosse da torneira. No entanto, a questão não está ainda encerrada. Foi aprovado um projecto do PSD que encarrega o Conselho de Administração do Parlamento de apresentar um estudo sobre os custos e benefícios da medida (financeiros e ambientais), no prazo máximo de 30 dias.


E a coisa não vai ser fácil. Se quanto à parte financeira, já na anterior legislatura se tinham apurado ganhos de uns escassos (?) 7 500 euros, quanto às eventuais vantagens ambientais, os objectivos não podem ser muito ambiciosos. Ficar-se-iam, tão-somente (!), pela redução de resíduos de embalagens das garrafas ou garrafões de plástico e pela diminuição das emissões poluentes na produção e transporte da água engarrafada. Estão a ver a complexidade do problema?


Por isso é que para se resolver esta questão bicuda (mesmo transcendental) terá que se proceder à elaboração de um estudo aprofundado (capaz de avaliar todos os impactos) que torne possível a tomada de uma decisão que se nos afigura … tão simples.


O que nos deixa uma interrogação. Será que os Deputados encarregues desse estudo não terão para resolver outros assuntos bem mais importantes para o país e para os cidadãos? Eis uma pergunta para a qual todos nós teremos resposta.