segunda-feira, novembro 21, 2011

Os Direitos Adquiridos



Há muito que estamos habituados às contradições dos políticos. É confrangedor (e cansativo) ler ou ouvir o que eles dizem em determinado momento e muitas vezes o contrário logo a seguir, um pouco ao sabor dos seus interesses. E são raros os que escapam a este “fado”. Ângelo Correia, esse “magnífico vulto”da nossa história política não foge à regra e aí está o que ele pensa sobre a velha questão dos “direitos adquiridos”.


Em Novembro de 2010, no programa Plano Inclinado da SIC Notícias, Ângelo Correia afirmou que “adquiridos são apenas os direitos como o direito à vida, o direito à liberdade, etc.”. Defendeu que “todos os outros direitos, ou seja, aqueles que custam dinheiro ao Estado, são direitos que não existem, que estão dependentes da solidez da economia”. E concluiu o raciocínio dizendo que “a ideia de direitos adquiridos se trata de uma "burla".


Porém, menos de um ano depois, a 23 de Outubro de 2011, quando questionado por uma jornalista da Antena 1 sobre a possibilidade de, em função do momento difícil que o país atravessa, abdicar da sua subvenção vitalícia de ex-titular de cargo público (quando, ainda por cima, trabalha no sector privado), Ângelo Correia afirmou “não estar disponível, por se tratar de um "direito adquirido" legalmente”.


Em que ficamos senhor engenheiro? Tamanha incoerência deve-se a quê? A lapsos de memória, a falta de ideias firmes sobre o assunto ou a pura desonestidade intelectual?