quarta-feira, novembro 23, 2011

Os sem-abrigo



Em algumas das minhas crónicas tenho abordado o problema dos que sofrem por carência alimentar. Mas o desemprego (ou outras circunstâncias adversas da vida) que, em muitos casos, atinge um ou vários elementos dos agregados familiares, causam outros tipos de carências e de pobreza. Nomeadamente, viver na rua.


Sabe-se que existe um número crescente de sem-abrigo – uma situação que não escolhe idade, género, grau académico ou profissão – e, simultaneamente, os centros de acolhimento estão esgotados e o aumento de pedidos às equipas que distribuem alimentos e agasalhos são um desafio cada vez maior para as instituições, algumas já sem capacidade de resposta.


O perfil dos sem-abrigo mudou. Actualmente quem vive na rua já não é apenas o “desgraçado” com um historial de exclusão social. As equipas de apoio já registaram casos de pessoas que estiveram muito bem na vida e que agora passam por momentos terríveis. E têm encontrado também pessoas que trabalham, têm casa, mas não possuem os recursos suficientes para pagar as despesas, recorrendo, por isso, às carrinhas para conseguir alimentos e a outras instituições para receberem roupa.


Portugal tem dois milhões de pobres há três décadas mas a crise veio agudizar as situações de pobreza extrema. E, infelizmente, os próximos anos não vão ser nada fáceis.