terça-feira, outubro 28, 2014

Cultura? Sim, claro, mas ...


Se aceitamos que para treinar uma equipa de futebol o treinador possa nunca ter jogado futebol (ou que tivesse sido, vamos dizer assim, um jogador fraquinho) ou que para Ministro da Saúde não seja obrigatório ser médico, por que carga de água é que iríamos exigir a uma pessoa que fosse culta (com alguma cultura, vá ...) só para estar à frente de um Ministério da Cultura? Felizmente, e para que não tivéssemos esse tipo de problema, acabou-se com o Ministério da Cultura. Basta-nos uma Secretaria de Estado. A este propósito, li algures o desabafo do Ministro da Cultura grego, Pavlos Geroulanos (certamente depois de uma noite mal dormida) "é uma "pena" e uma "loucura" Portugal não ter um Ministério dedicado à Cultura". Coisa de gregos ... não façam caso.

 

Mas, convenhamos, o problema não acontece apenas em Portugal. Veja-se o caso da Ministra francesa da Educação - Fleur Pellerin - que admitiu na televisão que não tinha lido qualquer livro do Nobel da Literatura de 2014, o francês Patrick Modiano, e que, no geral, lia "muito pouco". Numa entrevista ao Canal+ quando lhe foi perguntado qual o seu livro favorito de Modiano, a Ministra hesitou e acabou por dizer "Admito sem qualquer problema que não tenho tido de todo tempo para ler nos últimos dois anos. Leio muitas notas, muitos textos legislativos, as notícias, os despachos da AFP, mas leio muito pouco". O que levou alguns comentadores a questionar: "Leio muito pouco", assume portanto "sem qualquer problema" a Ministra da Cultura, e até agora ainda não se demitiu. Que lamentável".




Lá como cá. Cultura? Sim, claro, mas ...