terça-feira, outubro 14, 2014

Reunião extraordinária de 18 horas? Ninguém aguenta ...



Pois foi o que aconteceu. A proposta de Orçamento de Estado para 2015 só foi aprovada em conselho de ministros extraordinário que durou umas "escassas" dezoito horas. Ninguém aguenta ... Uma maratona que se repete - já com os anteriores orçamentos tinha sucedido o mesmo - e que constitui um péssimo exemplo, sobretudo vindo de um governo que se diz (e já ninguém acredita) tão rigoroso. E não foi, seguramente, uma mostra de "dedicação ao trabalho", antes pelo contrário. Mas a "obra" ainda não está concluída. O Governo terá ainda três dias para limar as linhas mestras do Orçamento de Estado que deve ser entregue na Assembleia da República até à próxima quarta-feira, dia 15.

Vão-me desculpar se estiver a fazer confusão mas penso que foi Henry Ford, o primeiro grande empresário dos automóveis, que tinha o hábito de, no fim do expediente, passar por todos os locais de trabalho das suas fábricas para se assegurar que todos os empregados saíam à sua hora. É que, dizia, prolongar a sua jornada de trabalho só se podia dever a duas coisas: ou essas pessoas tinham mau ambiente em casa ou - o que se recusava admitir - eram desorganizadas e geriam mal o seu tempo de trabalho e as suas prioridades.

Deu para entender?