sexta-feira, outubro 03, 2014

O dinheiro não compra tudo ...



Achei piada a uma história que li no Expresso desta semana sobre aquele navio - o "Atlântida" - que foi construído nos estaleiros de Viana do Castelo por encomenda do Governo Regional dos Açores e que nunca chegou a ser utilizado, por motivos que não vêm agora ao caso. Depois de uma "eterna" indefinição sobre o seu futuro, acabou por ser comprado ao Estado pelo empresário Mário Ferreira, dono da Douro Azul.

Conhece-se bem do dinamismo de Mário Ferreira. Uma vez comprado o barco, logo pensou reconverter o "Atlântida" para fazer cruzeiros de luxo na Amazónia. E, enquanto as obras não terminam, decidiu ir ao terreno estudar os melhores e mais exóticos itinerários. Foi então que teve um encontro com um chefe de uma tribo indígena que ele pretendia cativar para o negócio, mais concretamente, Mário Ferreira pensou que a tipicidade própria dos elementos da tribo seria um bom cartão de visita para acolher os turistas. A coisa combinou-se mas houve um problema. O pagamento do serviço não poderia ser em dinheiro. E porquê? Porque na selva não havia onde gastá-lo. A moeda de troca teria que ser em pão, por não haver por ali cereais e em bidões de gasolina para usar nas arcas frigoríficas com peixe. E o acordo realizou-se.

Ao contrário do que muita gente pensa, nem tudo na vida se resolve com dinheiro ...