domingo, junho 17, 2007

A bailarina mais-que-estranha


Roman Dirge é ilustrador de numerosas publicações underground. Quando um belo dia se cruzou em Los Angeles com Tim Burton, este, ter-lhe-á dito que o seu estilo era “belo” e “eterno”.

Do livro “está alguma coisa a arranhar à janela”, pequenos versos para meninos travessos, de Roman Dirge


A bailarina mais-que-estranha



Juro que não é nenhuma patranha,

Ter visto uma bailarina mais-que-estranha,

Dançava muito mal, como um velho mecanismo,

E deixou de dançar depois de cair no abismo.