quinta-feira, junho 28, 2007

"Pão, Bolos,Torga e Poesia"


Duas pastelarias/padarias da região de Bragança aceitaram associar-se às comemorações do centenário do nascimento de Miguel Torga, considerado o maior escritor transmontano. Assim, quem comprar pão ou bolos durante todo o Verão naqueles dois estabelecimentos do Nordeste Transmontano, vai levar para casa também alimento para o espírito, isto é, vai levar poesia de Torga nas embalagens.

Desta maneira, caixas e sacos de plástico ou de papel passam a ser veículos literários da obra do escritor.

Quem sabe se numa dessas embalagens alguém virá a ter como presente este magnífico poema de Torga, que se chama precisamente



“UM POEMA”


Não tenhas medo, ouve:
É um poema
Um misto de oração e de feitiço...
Sem qualquer compromisso,
Ouve-o atentamente,
De coração lavado.
Poderás decorá-lo
E rezá-lo
Ao deitar
Ao levantar,
Ou nas restantes horas de tristeza.
Na segura certeza
De que mal não te faz.
E pode acontecer que te dê paz...



Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia Rocha, nasceu em São Martinho de Anta em 12 de Agosto de 1907 e faleceu em Coimbra a 17 de Janeiro de 1995. Para além de médico, foi um dos mais importantes escritores portugueses do século XX.


Considerado por muitos como tendo um trato difícil e carácter duro, sempre fugiu das elites pedantes e a sua postura perante a vida fê-lo estar sempre mais perto dos mais desfavorecidos, dando consultas médicas gratuitas a gente pobre.
É lembrado por quem o conheceu como um homem de bom coração e de boa conversa. Foi o primeiro vencedor do Prémio Camões.