segunda-feira, abril 07, 2014

Ah, as malditas generalizações ...



Tenho aqui escrito repetidamente que é perigoso fazerem-se generalizações. Perigoso e injusto em certos casos. Ainda há dias Paulo Portas, no Parlamento, afirmou que as pessoas que deixaram de ter direito a rendimento social de inserção (RSI), ficaram excluídas dessa prestação social porque tinham mais de 100 mil euros na conta bancária. Diga-se, a propósito, que com as alterações que se têm verificado na Lei nos últimos anos, 32 mil famílias perderam o direito ao RSI, qualquer coisa como mais de 100 mil pessoas.
Sem excluir a possibilidade de haver uns quantos "habilidosos" que, apesar de terem bastante dinheiro ainda sacam (de forma fraudulenta) mais algum ao Estado, custa-me a crer que com 88 euros por pessoa (em média) de RSI alguém possa ter contas bancárias chorudas. Aliás, julga-se que os "espertalhões" não chegarão à dezena. Por isso mesmo, gostaria que fossem divulgados esses números porque acho muito difícil que os sistemas de controlo que certamente foram implementados não tenham conseguido detectar contas bancárias confortáveis pertencentes a cidadãos que se candidataram ao RSI.
Em resumo, Paulo Portas, chamou, de forma demagógica e injusta, vigaristas a cento e tal mil pessoas, cuja esmagadora maioria vive com enormíssimas dificuldades e para as quais o dinheiro do RSI constitui uma preciosa ajuda. Quanto aos infractores, procedam à sua identificação, obriguem a devolver o dinheiro ao Estado e prendam, se for caso disso. Para já o que se ouviu foi um Paulo Portas que, demagogicamente repito, foi ao encontro daqueles que em conversa de café (sem conhecerem a realidade nem situações concretas) afirmam que todos os tipos que recebem o RSI são uns calões que não querem trabalhar. E, simultaneamente, ele conseguiu reduzir uns milhões na despesa, o que é capaz de dar um certo jeito ...