quinta-feira, maio 31, 2007

Um "concurso" desumano


Quando pensamos que à medida que vamos ficando mais velhos, a vida nos ensinou a estar melhor preparados para enfrentar as coisas mais absurdas ou cruéis, verificamos que nem sempre estamos tão preparados como julgávamos.

Foi o que me aconteceu quando soube que na Holanda vai realizar-se um reality show cujo prémio é constituído por, pasmem-se ... uma doação de órgãos. É absolutamente inacreditável!

É verdade, um canal de televisão holandês está prestes a estrear um concurso em que uma doente terminal vai decidir qual de três pessoas merece receber os seus rins.

E o grande prémio, a escolha da vida ou da morte, será feita em directo na televisão, tendo por base as conversas com os familiares, a análise do perfil de cada um dos doentes, bem como as mensagens de SMS enviadas pelos telespectadores.

Nunca um reality show foi tão longe.


Como é possível que uma televisão, para conseguir ganhar a guerra das audiências, pense e realize um programa em que a votação irá decidir quem tem direito a receber os órgãos do doador e, consequentemente, a ficar vivo, e quem fica de fora do concurso e, eventualmente, da vida.

E o espectáculo é tão maquiavélico que nem a votação por SMS foi esquecida, como se de um concurso banal se tratasse.

Será que alguém – responsáveis pelo canal e produtores do concurso - pensou na ansiedade e na angústia que os três concorrentes a este concurso macabro vão sentir, enquanto esperam pela decisão final?

É que nesta ideia de loucos, a vitória no concurso equivale à possibilidade de continuar a viver, mas a derrota significa o fim da esperança e, quem sabe se da vida, de dois seres humanos.

Até onde chegámos! Será que já batemos no fundo?