domingo, novembro 02, 2008

O Magalhães




Já tenho manifestado aqui o meu apoio a diversas medidas levadas a cabo pelo governo. Na maioria dos casos, em minha opinião, elas visam combater os efeitos trágicos das crises que se abateram sobre nós. Desta vez, porém, devo dizer que não gostei de ver José Sócrates, em plena sessão da cimeira ibero-americana de S. Salvador, a debitar um discurso de vendedor de banha da cobra para convencer os Chefes de Estado e de Governo ali presentes, que a nossa maravilha tecnológica (o computador Magalhães) era uma das maiores invenções à face da terra desde o tempo da descoberta da roda.

Embora perceba que Sócrates estava a tentar, através da denominada diplomacia econónima, vender uns quantos milhões de “Magalhães”, para compensar o abrandamento das nossas exportações para os mercados tradicionais, achei que o papel que ele decidiu assumir foi demasiado humilhante.

De um primeiro-ministro, esperava mais formalidade e a dignidade própria da função.

O computador Magalhães pode até ser o “petróleo” que nos permita sair da situação aflitiva em que vivemos. Tudo bem, vendam-no o mais que puderem. Mas, por favor, façam-no no recato dos gabinetes e nos encontros bilaterais, durante os almoços e recepções.

Agora, numa assembleia como aquela, francamente não gostei de ver.

1 Comments:

At segunda-feira, novembro 03, 2008 10:52:00 da manhã, Anonymous provocador said...

Perguntas:

- Um computador que é uma espécie de Tim Tim, para ser utilizado por pessoas dos 7 aos 77 anos?

- Todos os acessores do primeiro-ministro usam apenas o Magalhães, por que não precisam de outro?



Bem, acho que o Sócrates se deixou levar pelo seu próprio entusiasmo ... e não se apercebeu do facto.

 

Enviar um comentário

<< Home