sexta-feira, outubro 16, 2009

Inacreditável




Candidato nas listas do PSD por Braga, João de Deus Pinheiro renunciou ao mandato de deputado, logo no primeiro dia de trabalhos do Parlamento. Aliás, ao fim da manhã do primeiro dia.


Por motivos pessoais, disse ele ao Expresso. Não duvido que essas razões tenham sido muito fortes já que fez uma campanha para ser eleito, já que convenceu os eleitores a elegerem-no, já que não se importou em defraudar as expectativas de quem o elegeu nem a confiança da líder do seu partido que o nomeou para cabeça de lista pelo Distrito.


Cansou-se cedo demais de uma Assembleia que se prevê animada nos próximos tempos. E por cansaço, desilusão, desinteresse ou pelos tais motivos pessoais fortes, anunciou rapidamente a renúncia. Há quem diga que o verdadeiro motivo foi outro, a promessa de Manuela Ferreira Leite em dar-lhe a Presidência do Parlamento caso o PSD ganhasse as legislativas, o que não veio a acontecer.


Inacreditável, de qualquer forma. Mais um golpe que desprestigia a classe política portuguesa, já tão debilitada perante a opinião pública. E, neste caso, mesmo que ele tivesse todas as razões para ter dado o passo atrás, a vergonha e o brio do ex-ministro e ex-deputado europeu deveriam tê-lo obrigado a seguir aquele ditado brasileiro:


“Ajoelhou, tem que rezar”


Seria mais digno.