quarta-feira, outubro 14, 2009

"Olvidame"


Nunca fui muito chegado ao uso de t-shirts com desenhos ou frases estampados na frente ou no verso das camisetas, quando não em ambos os lados. Umas de tipo turístico, do género “Recuerdo de Punta Cana”, “Amo-te Ericeira” ou “Já fui muito feliz na Praia do Meco”. Outras com cariz puramente informativo como “Cada povo tem o Governo que merece” ou “Eu não votei no PS”. Outras ainda com chancelas publicitárias ou com assuntos a puxar pela imaginação mais ou menos criativa de cada um.


Como aquelas que vi num concorrido restaurante algarvio “A inveja mata, a sardinha trata” e “Já vou, Porra!!!” Ou aquela outra que era vestida por um jovem que dizia “Eu fui feito numa Bimby”.


Mas embasbacado mesmo foi como fiquei quando dei de caras com uma miúda muito, muito gira, que vestia uma t-shirt de um verde lindo sobre o qual tinha estampada a palavra “OLVIDAME”. Surpreendido primeiro, apalermado depois, o certo é que não consegui desviar o olhar daquele conjunto tão, como dizer, tão harmonioso.


O verde era magnético e as letras divinais. Bem desenhadas, fortes, desafiadoras e bem colocadas num enquadramento perfeito. O design não podia ter sido melhor conseguido e as letras O e E estavam, como percebem, e como diriam “nuestros hermanos”, “em su sítio”.


Um espanto, um desafio, uma provocação!


“OLVIDAME”, apesar da falta do hífen (melhor seria olvida-me) era claramente um pedido a que ninguém poderia obedecer. Mesmo que quisesse.