quinta-feira, outubro 01, 2009

“Cadê” o contrato?


Hoje pensei fazer gazeta. Sinto-me cansado, demasiado cansado. Não que tivesse feito um esforço extraordinário durante o dia mas, confesso, fiquei muito fatigado só por pensar no trabalho árduo que tiveram os Procuradores do Ministério Público ao entrarem em vários escritórios de advogados à procura de provas sobre o negócio da compra de dois submarinos conduzido, em 2004, por Paulo Portas, então Ministro da Defesa.


Os coitados continuam a procurar o rasto de 30 milhões de euros pagos, a título de comissão, por uma empresa alemã não se sabe a quem. Isto é, os investigadores andam na peugada de quem foi subornado.


Porém, a coisa não está fácil. Eu sei que há só três anos que o processo dos submarinos foi aberto mas o povo começa a não acreditar que se venha sequer a descobrir o fiozinho à meada. Pois se ainda nem encontraram o contrato de financiamento para aquisição dos ditos submarinos. Os investigadores bem vasculharam computadores e recolheram toneladas de documentos mas o tal contrato está definitivamente desaparecido. Ouvi há pouco no telejornal o Francisco Louçã sugerir que pedissem ao Dr. Portas que procurasse nas 61 893 fotocópias que tirou quando era o titular da Defesa se era capaz de descobrir o documento entre as outras fotocópias. Mas não sei se o Louçã estava a gracejar.


O que sei é que para ajudar à festa, num dos escritórios visitados, o trabalho dos especialistas teve um contratempo – um arreliador “problema informático” atrasou a busca. Bendito problema que veio na hora certa.


Reconheço os esforços das autoridades mas continuo a não perceber como é que depois de tanta investigação, ainda não se lembraram de convocar o Ex-Ministro da Defesa para depor.

Mas isso são conjecturas minhas. Afinal, sou um leigo na matéria.