sexta-feira, julho 22, 2011

Anomalias do Amor



Eugénio de Castro (1869 – 1944), foi considerado, na sua época, pela crítica em geral como um poeta modesto. No entanto, teve um grande contributo na renovação da literatura em Portugal, aproximando-a das modernas concepções europeias.


De Eugénio de Castro “Anomalias do Amor”


Velhinhos há de coração ardente,
Como há mancebos de alma encanecida;
Cedo anoitece para uns a vida
E para outros não tem fim o poente.


O moço para o amor indiferente
É campa de si mesmo, arrefecida,
E o velho, que ama com paixão dorida,
Dentro do peito um prisioneiro sente.


Um leva o coração, de neve cheio,
Arde o outro em chamas rútilas, inquietas,
E ambos, descalços, vão pisando as brasas…


Qual merece mais dó? Sábios, dizei-o:
O moço que só anda de muletas,
Ou o velho que ainda quer ter asas?