quinta-feira, julho 07, 2011

Uma idosa teve direito a um acréscimo de 1 euro por mês na sua pensão

A história que vos recordo hoje, está na ordem do dia e só prova, a quem dúvidas tivesse, que o Estado é pessoa de bem. Conta-se em duas palavras.


Joana Sampaio é uma senhora de 88 anos que vive na freguesia de Delães, perto da Marinha Grande. Por ter toda a vida trabalhado na agricultura recebe agora uma merecida e generosa pensão de … 299 euros. Mas a Segurança Social, sempre atenta, informou a senhora que teria direito a receber o chamado Complemento Solidário de Reforma, bastando para isso que iniciasse um processo de candidatura que devia incluir as declarações de IRS dos seus seis filhos. Nada mais fácil, pois, para poder acrescentar aos seus rendimentos o simpático montante de 1 (um) euro. Leram bem, a D. Joana poderia assim, de um momento para o outro, receber de mão beijada e sob sugestão da própria Segurança Social, mais 1 euro todos os meses. Mas …


Como em outras histórias, esta também tem um lamentável mas. Como se não fosse, já de si, ridícula a verba atribuída, a Segurança Social só efectuará o pagamento quando o valor atingir um mínimo de cinco euros. Quer dizer, de cinco em cinco meses vai ser enviado um chorudo cheque de 5 euros. Uma fortuna. Se bem que, após ter iniciado o processo de candidatura, em Fevereiro de 2008, ainda não tivesse recebido qualquer cheque. Quer dizer, regras são regras mas o raio das burocracias às vezes tem destes imponderáveis.


De qualquer forma, apraz-me registar duas coisas: a primeira é que, como já referi, o Estado, mesmo em contenção, não esquece os seus cidadãos e, a outra, é que o mesmo Estado está atento aos exageros que os cidadãos cometem quando o dinheiro abunda. Daí que dê mas parcimoniosamente. Como neste caso, em que algum responsável de pacotilha deve ter pensado: “D . Joana tome lá mais um euro por mês mas cuidado, não se alambaze”.