quarta-feira, julho 20, 2011

E se Portugal vendesse o ouro?



Com a escalada do preço do ouro nos mercados internacionais nos últimos dias, logo se equacionou a hipótese de Portugal vender as suas reservas de ouro para amortizar a dívida que tem. Uns (cá de dentro), por pura ignorância dos acordos entre o Banco Central Europeu e os Bancos Centrais dos vários países, outros (os de lá de fora e, sobretudo, os alemães), a colocarem mais lenha na fogueira e a defender que deveríamos vender mesmo o nosso ouro antes de pensar em receber o empréstimo (a ajuda) já combinada com as instâncias internacionais.


E a verdade é que tendo o nosso país uma quantidade apreciável de ouro (382,5 toneladas que faz de nós a sétima nação do mundo com maior reserva de ouro) parece da mais elementar sensatez desfazermo-nos das barras de ouro para liquidarmos as nossas dívidas e acabar com os nossos problemas. Parece mas não é.


E não é por duas razões básicas. A primeira, porque o ouro é propriedade do Banco de Portugal e não do Estado e, portanto, se fosse vendido, o lucro era do BdP que, quando muito, distribuiria, mais tarde, os dividendos ao patrão-Estado. A segunda é que, mesmo que o nosso ouro valha agora 11,6 mil milhões de euros não chega nem de longe para cobrir a nossa dívida pública que é de 159,6 mil milhões de euros e um défice de 14,9 mil milhões.


Daí que, mesmo que isso fosse possível, para quê alienar uma reserva que não iria resolver coisíssima nenhuma? O que faz sentido, isso sim, é que o Estado mude de atitude e promova o necessário para reactivar o seu tecido produtivo a fim de gerar riqueza. Enquanto isso, irá agindo pelo lado da receita fácil, isto é, vai continuar a lançar mais impostos sobre os cidadãos.


Portanto, vão-se preparando para mais impostos que, fatalmente, chegarão e esqueçam a pergunta “e se Portugal vendesse o ouro?”. Como se disse, além de não poder, isso não resolveria os nossos problemas. E, já agora, esqueçam também a velha frase “vão-se os anéis mas fiquem os dedos” porque mesmo que se vendessem os anéis (o ouro), ficaríamos com os dedos (neste caso, as dívidas) ligados a um futuro nada risonho.