terça-feira, março 19, 2013

O verdadeiro défice ...



Ainda sobre Vítor Gaspar (de quem os cronistas e humoristas tanto gostam, calcula-se porquê), ao ouvi-lo no discurso que aqui referi ontem, lembrei-me dos "relatórios e contas" de muitas empresas: o relatório para as Finanças (por causa dos impostos a pagar), o relatório para a Banca (por causa dos investimentos) e o relatório da empresa (em princípio, o que espelhava a verdade das suas contas).

E recordei-me disto porque Vítor Gaspar revelou no tal discurso que houve três valores de défice em 2012: 4,9% (para a troika), 6,6% (para INE/Eurostat) e 6% (saldo orçamental sem efeitos pontuais).

A verdade, porém, é que o Ministro das Finanças apenas nos quis confundir. Ele sabe bem, e nós sabemos também, que o que conta verdadeiramente é o défice em contabilidade nacional que foi, como se viu, de 6,6%, bem longe dos 4,5% previstos.

Para quê estas habilidades? Ainda por cima vindas de uma pessoa que era vista como rigorosa e competente e que, portanto, merecia toda a credibilidade. Será que ainda merece?