quinta-feira, outubro 25, 2007

A política ao serviço dos cidadãos


Medidas do tipo da que, agora, foi levada a cabo pela Câmara Municipal de Mora, correspondem ao que eu sempre desejei ver na política. Ou seja, sempre acreditei que as necessidades dos cidadãos, pelo menos as mais básicas, poderiam ser satisfeitas com brevidade, desde que houvesse uma forte vontade de as resolver por parte de quem nos governa, central ou localmente.

Mas, em vez disso, assiste-se a quê? À constituição de inúmeros grupos de trabalho para estudar montanhas e montanhas de projectos, pensados e assessorados por miríades de técnicos e especialistas, que são desenvolvidos ao longo de anos, para que um dia, enfim, possam vir a ser implementados, muitas vezes quando já não são necessários ou até quando já estão desactualizados.

Tudo isto quando seria muito mais simples optar por medidas práticas e directas que conseguissem ajudar as populações, sobretudo as mais necessitadas.

E foi com este espírito simples e prático que a Câmara de Mora lançou a “Oficina Domiciliária”, projecto dedicado aos idosos do concelho com reformas inferiores a 350 euros, para poderem aceder aos serviços da autarquia em pequenas obras e reparações domésticas.

Vêem como se consegue fazer muito, para muitos e com custos tão reduzidos?

Um bom exemplo de como se pode pôr a política ao serviço dos cidadãos.