sexta-feira, abril 20, 2012

O cumprimento salvador

A recente tragédia ocorrida em Armamar em que dois jovens operários entraram numa câmara frigorífica e lá morreram, lembrou-me uma outra história – ao que parece verdadeira – e que se conta desta forma:

“Certo dia, no fim do expediente, um trabalhador da empresa foi inspeccionar a câmara frigorífica. Inexplicavelmente, a porta fechou-se e ele ficou preso lá dentro. Bateu na porta com força, gritou por socorro, mas ninguém o ouviu. Todos já tinham saído e era impossível que alguém pudesse escutá-lo.
Já estava há quase cinco horas preso e debilitado com a temperatura insuportável. Até que, de repente a porta abriu-se e o vigia entrou na câmara e resgatou-o com vida.

Depois de salvar a vida do homem, perguntaram ao vigia:

- Porque foi abrir a porta da câmara se isto não fazia parte da sua rotina de trabalho?
Ele explicou: Trabalho nesta empresa há 35 anos, centenas de empregados entram e saem aqui todos os dias e ele é o único que me cumprimenta ao chegar pela manhã e se despede de mim ao sair.
Hoje pela manhã disse “Bom dia” quando chegou. Entretanto não se despediu de mim na hora da saída. Imaginei que poderia ter-lhe acontecido algo. Por isto o procurei e o encontrei..."

Mesmo que a história não seja verdadeira, é um bom momento para reflectirmos …