quarta-feira, outubro 10, 2012

Porque razão hei-de acreditar desta vez?



Corria o ano de 2003 e Passos Coelho era consultor da Tecnoforma, empresa que, nesse ano, recebeu 82% do valor das candidaturas aprovadas pelo programa “Foral”, composto por dinheiros do Fundo Social Europeu e do Estado português, destinados à formação profissional ao nível das autarquias. Programa que era tutelado pelo então secretário de Estado Miguel Relvas. Aliás, entre 2002 e 2004, 63% do número de projectos aprovados a privados foram para a mesma empresa.

Coincidência, ou não, Miguel Relvas fazia parte do governo de Durão Barroso, Paulo Pereira Coelho o seu gestor na região Centro, Pedro Passos Coelho consultor da Tecnoforma, João Luís Gonçalves era sócio e administrador da empresa e António Silva era director comercial e vereador da Câmara de Mangualde. Todos eles eram destacados dirigentes da JSD ou deputados do PSD.
 
Passos Coelho nega que houvesse quaisquer favorecimentos. Mas porque razão hei-de acreditar agora no Primeiro-Ministro se já lhe ouvi afirmações como:

"acabar com 13º mês? isso é um disparate"; "posso garantir que não será necessário em Portugal cortar mais salários nem despedir gente para cumprir um programa de saneamento financeiro no Estado Português"; "aquilo que o primeiro-ministro (Sócrates) nos acusou foi o de querer acabar com o IVA intermédio da restauração (13%). É absolutamente falso"; "nós não devemos aumentar os impostos"; "a política de privatizações em Portugal será criminosa se visar apenas vender activos ao desbarato para arranjar dinheiro" ou "não contarão connosco para mais ataques à classe média em nome dos problemas externos" ... e por aí adiante ...
e sabemos que tudo isso era mentira?
Bem pode negar, veementemente, Passos Coelho. Mas lá que desconfiamos, desconfiamos.
Ainda no sábado, Nuno Amado, Presidente do BCP, dizia ao Expresso:
"um dos problemas de Portugal chama-se "Amiguismo".